12 de dezembro de 2017

 

 

 

Havana - O direito ao ensino a todos os níveis é um dos baluartes de Cuba, e o seu desenvolvimento gradual constitui uma das principais linhas do sistema socialista desta nação caribenha.

Apesar das limitações impostas durante décadas pelos Estados Unidos mediante um bloqueio económico, financeiro e comercial, a ilha cumpre grande parte das metas instituídas pelo capítulo número dois dos Objetivos do Desenvolvimento do Milénio, referente à educação.

Segundo relatórios da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), Cuba é o país da América Latina com maior índice no desenvolvimento da educação e o único a cumprir os objetivos globais da Educação para Todos.

Cuba dispende com a educação 13 por cento do Produto Interno Bruto. Este ano, os fundos planeados para a Educação aumentaram em oito mil 275 milhões 400 mil pesos cubanos (mais de 331 milhões de dólares), equivalentes aos 23 por cento da despesa orçamental.

No aspecto económico, os investimentos estão destinados à formação de professores e ao funcionamento de escolas primárias, ensino médio, universitário e a círculos infantis (centros de atenção à primeira infância).

Em Cuba, a educação consta na Constituição como um direito inalienável para todos os cidadãos e simboliza uma prioridade para o Estado.

O ensino académico, os programas de prevenção contra a delinquência e padrões de condutas questionáveis, uma educação sexual responsável, a formação de valores e a igualdade de género ocupam um lugar central no programa de ensino.

Actualmente a educação especial estende-se a todo o sistema nacional em escolas regulares e nos diversos níveis educacionais, onde se trabalha para potenciar o desenvolvimento integral de pessoas com necessidades específicas.

Escolas de arte, de educação física e desportiva, consideradas também como direito do povo, possibilitam a confluência de estudantes de diferentes idades com talentos e aptidões para as manifestações artísticas e modalidades desportivas.

Vários centros estimulam a formação de profissionais e instrutores nestas esferas e contribuem para incrementar o futuro das artes e o desporto em Cuba.

Durante o Congresso Internacional Pedagogia 2017, diretores de organismos internacionais, membros da Unesco e destacadas personalidades, entre elas o prémio Nobel da Paz Kailash Satyarthi, reconheceram os enormes avanços de Cuba na esfera educacional.

Tudo isto se deve à aplicação de um abrangente sistema, o ensino gratuito e os elevados índices de qualidade.

 

Fonte - Prensa Latina

 

 

O Ministério das Relações Exteriores da República de Cuba expressa a sua mais profunda preocupação e recusa pela declaração unilateral por parte do presidente dos Estados Unidos acerca da cidade de Jerusalém como capital de Israel, constituindo uma grave e flagrante violação da Carta da ONU, do Direito Internacional e das pertinentes resoluções das Nações Unidas.

Esta tentativa do Governo dos Estados Unidos de modificar o estatuto histórico de Jerusalém é um golpe para os interesses legítimos do povo palestino e das nações árabes e islâmicas, provocará graves consequências na estabilidade e segurança no Médio Oriente, aumentará ainda mais as tensões nesta região e impedirá qualquer esforço conduzido a reatar as conversações de paz entre israelitas e palestinos.

Cuba apela ao Conselho de Segurança para se cumprir a responsabilidade que lhe outorga a Carta da ONU na manutenção da paz e segurança internacional, para adotar as decisões necessárias e exigir a Israel que ponha um fim imediato à ocupação dos territórios palestinos e às políticas agressivas e práticas colonizadoras, bem como o cumprimento das resoluções aprovadas por este órgão acerca da situação no Médio Oriente, incluindo a Palestina.

O Ministério das Relações Exteriores ratifica que Cuba continuará apoiando uma solução ampla, justa e duradoura para o conflito palestino-israelita, em prol de uma solução de dois Estados, que permita aos palestinos o direito da livre determinação de um Estado independente e soberano, com sua capital em Jerusalém Oriental e as fronteiras antes de 1967.

 

Fonte - Jornal Granma

 

O povo de Santiago uniu-se no tributo a esta sentida homenagem

Dezembro 5

SANTIAGO DE CUBA.─ O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, general-de-exército Raúl Castro Ruz, presidiu, no dia 4 de dezembro, à cerimónia de homenagem ao líder histórico da Revolução Cubana, Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, ao completar-se um ano em que suas cinzas foram depositadas no cemitério Santa Ifigênia, após ter percorrido todo o país e ter recebido o tributo de todo um povo.

Às 7 horas da manhã, quando o dia amanhecia, foi escutado Hino Nacional Cubano e foi rendido o plantão de honra a Mariana Grajales, Carlos Manuel de Céspedes, José Martí e Fidel Castro.

Em nome do povo cubano foi depositada uma coroa de flores na pedra que guarda as cinzas do Comandante-em-chefe, enquanto se escutava a música «Eterno Fidel», interpretada pela Banda de Música do Estado Maior Geral das Forças Armadas Revolucionárias.

Mais tarde, ouviu-se dos autifalantes a voz de Fidel quando em maio de 2000, num comício perante milhares de pessoas, na Praça José Martí em Havana, discursou sobre o Conceito de Revolução, que se converteu num pilar essencial das lutas da ilha caribenha e ao que milhões de cubanos juraram fidelidade nos dias memoráveis que ocorreram no seu funeral.

Acompanhado por vários membros do Bureau Político e representantes das organizações de massas, Raúl Castro depositou flores brancas para honrar Fidel, o Apóstolo José Martí, o Pai da Pátria Carlos Manuel de Céspedes e a Mãe da Pátria Mariana Grajales.

Antes de deixar o cemitério, o general-de-exército foi também ao túmulo familiar onde estão depositados os restos mortais dos irmãos Josué e Frank País, jovens revolucionários de coragem insuperável, aos quais também deu o seu tributo, com uma flor branca.

Ao concluir a cerimónia, milhares de moradores de Santiago de Cuba participaram numa caminhada até o cemitério Santa Ifigenia para honrar o Comandante-em-chefe. Enquanto avançavam pela avenida Pátria gritavam palavras de ordem, reafirmando que Fidel está e estará sempre com o povo cubano.

 

Fonte - Jornal Granma

Muitos milhares de estudantes, trabalhadores, camponeses, artistas, cientistas, soldados, veteranos, em suma, pessoas comuns da sociedade,  prestaram nesta sexta-feira noite homenagem a Fidel Castro na Plaza de la Revolución Mayor General Ignacio Agramonte Loynaz, um ano após o seu desaparecimento físico.

Paris - Cuba participará na próxima Conferência Internacional de Alfabetização Oceânica da UNESCO, dirigida a debater sobre a conservação sustentável dos oceanos, os mares e os recursos marinhos, informaram  fontes diplomáticas.

De acordo com um comunicado da missão de Havana na UNESCO, a nação caribenha estará representada pela diretora do Aquário Nacional, María de los Ángeles Serrano, que estará presente no evento previsto para os dias 4 e 5 de dezembro na cidade italiana de Veneza.

 

Comunicado do Gabinete de Imprensa dos Deputados do PCP ao PE

Pelo Fim do Bloqueio - Deputados do PCP no PE solidários com Cuba

Em cooperação com outras delegações do GUE/NGL, os deputados do PCP no Parlamento Europeu organizaram, nos dias 29 e 30 de Novembro, uma Conferência pelo Fim do Bloqueio a Cuba.

Esta iniciativa teve como principal objectivo reafirmar a solidariedade do GUE/NGL e de diversos movimentos de solidariedade com a luta do povo cubano, pelo fim do criminoso bloqueio que lhes é imposto pelo imperialismo norte-americano, há 57 anos. Uma oportunidade para expor e denunciar as pesadas consequências territoriais e extraterritoriais do mesmo, bem como a agressividade da política da Administração Norte-Americana contra Cuba. Um bloqueio já por 26 vezes condenado pela Assembleia Geral da Nações Unidas, em sucessivas resoluções, a última das quais com os votos contra apenas dos EUA e de Israel.

Os recentes avanços nas relações entre Cuba e a UE, que levaram à revogação da Posição Comum de 1996 no âmbito da assinatura de um Acordo de Diálogo e Cooperação entre a UE e Cuba, foram saudados nesta iniciativa.

Participaram nesta Conferência,  dando a conhecer o trabalho e intervenção nos seus países na denúncia do bloqueio a Cuba, movimentos de solidariedade da Bélgica, França, Espanha, Itália, Alemanha, Suécia, Dinamarca, Irlanda e uma delegação da Associação de Amizade Portugal-Cuba, representada por dois  dirigentes. Em reuniões bilaterais  com diversos deputados ao Parlamento Europeu, estes movimentos de solidariedade apelaram ao desenvolvimento de mais acções para combater o bloqueio.

Foi ainda possível prestar tributo a Che Guevara, no ano em que se assinalam os 50 anos sobre a morte do guerrilheiro argentino, na presença de um dos seus filhos, Camilo Guevara.

Os deputados do PCP no Parlamento Europeu saudaram a resistência e determinação do povo cubano na luta contra as políticas de intervencionismo e ingerência dos EUA, na defesa do direito soberano a decidir do seu destino e de prosseguir o caminho da revolução socialista, enfrentando com determinação a violenta ofensiva do imperialismo norte-americano na América Latina e Caraíbas.

 

Fonte - Site do PCP - Parlamento Europeu

 

Um ano depois da morte do líder histórico da Revolução, Fidel Castro Ruz, o povo cubano continua sendo fiel às ideias do Conceito de Revolução, expresso por ele no dia 1º de maio de 2001, em Havana. As muitas lições da sua herança foram essenciais em momentos de adversidades climáticas, de transformações necessárias e de muito trabalho em prol do futuro que queremos.