12 de dezembro de 2017

Em declarações feitas nesta terça-feira (12) no programa Acendidos da televisão venezuelana, Fernando Casado, que presenciou as eleições municipais de domingo (10), destacou a participação cívica do povo venezuelano, o aparato tecnológico e humano, e a cobertura de meios, os quais considerou sinal de transparência do processo e a força democrática na Venezuela.

Todos estes elementos permitem afirmar que não há manipulação dos votos emitidos pelo povo venezuelano e também há uma valorização muito positiva na participação destas eleições municipais, precisou.

Todas estas qualidades são avaliadas por testemunhas de todas as organizações políticas participantes nas eleições, mediante um processo de auditorias.

Casado elogiou a cobertura da imprensa nacional no recente evento eleitoral, o que na sua opinião é sinal de transparência e de democracia. Contudo, assinalou que a maioria dos mídia internacionais optaram pelo silêncio e a difamação dos resultados, já que esses, por serem favoráveis ao chavismo, não coincidem com os interesses da grande imprensa. 

Capacidade de mobilização 

Segundo o jornalista Eleazar Díaz Rangel, foi uma grande lição dada pelos eleitores, que elegeram com elevada percentagem os prefeitos revolucionários, apesar das circunstâncias económicas dificeis enfrentadas pela população. Foi uma demonstração de consciência política, de capacidade organizativa por parte do PSUV e demonstrou novamente a sua enorme capacidade de mobilização, assinalou o analista em declarações ao programa Encendidos de Venezolana de Televisión.

Estas e outras reações foram escutadas no início da jornada ao avaliar-se o incontestável e sólido triunfo das forças de esquerda nas eleições municipais para prefeitos, realizada no domingo (10) na Venezuela.

Com o resultado destas votações, a terceira nos últimos meses, as forças "vermelhas" do chavismo atingiram mais de 300 prefeituras dos 335 municípios do país, o candidato do PSUV à prefeitura de Zulia, Omar Pietro, obteve a vitória com 694.896 votos, 57,3%, e o PSUV chegou à prefeitura de Maracaibo, capital zuliana.

O sucesso em Zulia tem um significado especial: "é extremamente importante pela força que a oposição teve em Zulia e em Maracaibo; acredito que isto significa uma mudança, sobretudo para melhorar esta cidade a níveis nunca antes atingidos", considerou Rangel.

Ontem, o vice-presidente do PSUV, Diosdado Cabello, anunciou que a participação às urnas surpreenderia muitos, ao mesmo tempo que destacou que o seu partido tem uma maquina eleitoral bem organizada, algo que paradoxalmente criticam os seus adversários como se fosse um delito.

Sobre este assunto, Rangel afirmou que no geral eleições municipais tendem a ter uma baixa participação. A presença de quase 10 milhões de votantes pode ser considerada histórica quando sempre existem manobras de abstenção neste tipo de processo eleitoral.

Outros analistas destacam que foi uma grande demonstração das forças de esquerda e uma perspectiva do que serão as eleições presidenciais de 2018.

Rangel considerou ainda que o sucesso eleitoral a favor do chavismo não deve interferir no diálogo entre o governo e a oposição, que deve continuar no próximo dia 15 de dezembro, na República Dominicana. Afirmou que seria um erro se a oposição não estivesse nessa reunião e ao mesmo tempo que tivesse uma conduta inapropriada durante o encontro.

 

Fonte - Portal Vermelho