Nota do Gabinete de Imprensa dos Deputados do PCP ao PE

Sobre a decisão da União Europeia de aplicar sanções contra a Venezuela

15 Novembro 2017, Estrasburgo

Face à decisão ontem tomada, de forma unânime, pelo Conselho da União Europeia de aplicar sanções contra a República Bolivariana da Venezuela, os deputados do PCP no Parlamento Europeu (PE) entendem sublinhar que:

- A União Europeia (UE) insiste na política de ingerência contra a Venezuela, inserindo-se na operação de desestabilização e boicote económico, financeiro, político e diplomático fomentado pelos EUA e contribuindo, desta forma, não para a resolução dos problemas com que este país se confronta, mas, ao invés, para a tentativa do seu agravamento;

- A política de ingerência por parte da UE contra a Venezuela – de que estas sanções são exemplo – não é, de forma alguma, compatível com a proclamada preocupação por parte da UE da existência de um “diálogo construtivo” e de “negociações” como “única forma sustentável de resolver a actual crise e de dar resposta às necessidades urgentes do povo da Venezuela”;

- A UE, ao insistir no não reconhecimento da Assembleia Nacional Constituinte e no lançar de dúvidas sobre a legitimidade das últimas eleições regionais de 15 de Outubro, toma claro partido pelos sectores mais reaccionários e violentos da oposição venezuelana e evidencia o seu total desrespeito pela soberania do povo venezuelano e pela ordem constitucional da Venezuela.

Deste modo, os deputados do PCP no PE condenam a aplicação de sanções por parte da UE contra a Venezuela e reafirmam a exigência do fim da ingerência e da acção desestabilizadora e de bloqueio económico e financeiro contra a República Bolivariana da Venezuela e o seu povo.

 Os deputados do PCP no PE criticam o alinhamento do Governo português nesta decisão da UE contra a Venezuela, que é contrária à defesa dos interesses da comunidade portuguesa residente naquele país e ao ordenamento constitucional português.

Os deputados do PCP no PE reafirmam que a defesa do bem-estar da comunidade portuguesa residente na Venezuela passa pela clara rejeição da política de ingerência e provocação contra este país, incluindo de posturas e decisões – como as sanções agora decididas pelo Conselho ou a entrega do descredibilizado prémio Sakharov pelo Parlamento Europeu – que promovam e deem alento à acção desestabilizadora, terrorista e golpista de sectores da chamada “oposição” venezuelana.

Os deputados do PCP no PE reafirmam ainda a sua firme solidariedade com a República Bolivariana da Venezuela, o povo venezuelano e a sua luta em defesa da sua soberania e direitos, face à ofensiva do imperialismo.

 

Fonte - Site do PCP - Parlamento Europeu