La Paz, 9 out - O presidente boliviano, Evo Morales, afirmou hoje que, 50 anos após o seu desaparecimento físico, o exemplo de Ernesto Che Guevara vive nas novas gerações de revolucionários de todo o mundo.

"50 anos depois, o legado de Ernesto Che Guevara vive nos jovens, na sua luta incansável pela igualdade e libertação dos povos", escreveu Morales na sua conta do Twitter.

Noutra mensagem, o presidente recordou que a cidade boliviana de Vallegrande tem recebido desde 5 de outubro centenas de pessoas de várias regiões do mundo para homenagear a rebeldia e a valentia de Che e dos seus companheiros de luta.

De acordo com Morales, relembrar a luta dos povos contra o império norte americano em defesa da dignidade, identidade e soberania é manter vivos os ideais do revolucionário argentino-cubano.

'Recordar 50 anos do Che é recordar a sublevação e a rebelião dos povos indígenas diante do poder colonial espanhol', sublinhou o governante noutra mensagem na rede social.

Com a participação de milhares de pessoas de todo o mundo, o presidente boliviano presidirá esta segunda-feira ao ato central em homenagem aos 50 anos da presença do Che na Bolívia. Também participará na cerimónia o vice-presidente e comandante da Revolução Cubana, Ramiro Valdés, familiares do Che, bem como representantes de movimentos sociais da América Latina e da Europa.

Che foi assassinado em Higuera no dia 9 de outubro de 1967, meses após iniciar na Bolívia um movimento revolucionário chamado Exército de Libertação Nacional.

Para recordar o seu legado, hoje haverá uma concentração no aeroporto de Vallegrande, onde em junho de 1997 foram encontrados os restos mortais de Che e de outros guerrilheiros, numa fossa comum.

 

Fonte - Prensa Latina