European Days of Action- END THE BLOCKADE

Intervenção de Pedro Noronha

Vice Presidente da AAPC

Bruxelas, 29-30 de Novembro de 2017

European Days of Action- END THE BLOCKADE

Parlamento Europeu

Associação de Amizade Portugal-Cuba

Companheiros,

A Associação de Amizade Portugal Cuba, saúda esta iniciativa, congratula-se pelo apoio do GUE/ NGL e da Associação Cubanismo e reconhece a oportunidade de, no plano político, reforçar os elos de solidariedade com Cuba. Regozijamo-nos com o facto de estarem presentes tantas organizações que lutam pela paz e em defesa da soberania dos Povos e particularmente pela solidariedade prestada à República de Cuba e ao seu heróico Povo que resiste a um ignóbil Bloqueio há quase 60 anos.

Com o derrube do regime fascista que durante meio século oprimiu o país, Portugal renasceu com a Revolução de Abril de 1974 e multiplicaram-se os movimentos democráticos e populares.

Neste contexto nasceu a Associação de Amizade Portugal-Cuba.

 Somos uma associação com 43 anos de história, que ao longo deste tempo tem desenvolvido intensa actividade no plano do esclarecimento junto das populações
sobre a realidade Cubana, procurando desmistificar a falsa informação prestada por uma comunicação social no nosso País, completamente enfeudada a interesses
económicos e políticos que ,por isso, serve de correia de transmissão aos desígnios dos EUA e da própria União Europeia que, também esta, está colonizada pelo poder do Imperialismo Norte Americano.

Só nestes últimos 3 anos estivemos em mais de 120 iniciativas, onde prevaleceu o contacto com as populações.

Todos os anos participamos nas Brigadas de trabalho voluntário em Cuba além de marcarmos presença em iniciativas de solidariedade fora do nosso país.

Participamos em todas as acções de Rua que tenham por objectivo a luta pela Paz e pela soberania dos Povos, sempre identificados com faixas da nossa Associação.

Cuba e de forma mais geral a América Latina, são alvo de uma ofensiva violenta do imperialismo na região.

O imperialismo e os grandes monopólios latino-americanos tentam travar o rumo de progresso, de afirmação soberana e democrática e de cooperação solidária que há cerca de 16 anos foi iniciada na América Latina com o contributo decisivo de Cuba.

Simultaneamente nem a América Latina, nem Cuba, são imunes aos devastadores efeitos da crise económica mundial do capitalismo. Pelo contrário, o imperialismo tenta usar essa mesma crise económica para tomar de assalto o poder em variados países como o demonstra a situação particularmente grave da Venezuela.

Neste contexto, Cuba enfrenta enormes desafios. Seja pelos factores externos, nomeadamente a situação económica e as alterações políticas na região da américa
latina, ou ainda pela eleição de Trump.

As liberdades são crescentemente cerceadas e aprofundam-se os ataques à democracia e à soberania dos povos, como é bem patente na União Europeia e na
sua evolução, quer na forma como lida com a sua própria crise económica, social e de legitimidade, quer na forma como conduz a sua política externa cada vez mais
intervencionista, militarista e de ingerência como aliás é confirmado pela sua participação na campanha contra a Venezuela Bolivariana.

Esta nova realidade faz com que o trabalho de solidariedade seja ainda mais exigente colocando a necessidade do aprofundamento do conhecimento sobre a realidade cubana e sobre aspectos da luta ideológica que se vai intensificar.

A Associação de Amizade Portugal-Cuga congratula-se com a revogação da “Posição Comum” que a União Europeia mantinha desde 1996 mau grado a nossa repulsa pela resolução que a acompanhou aprovada por grupos revanchistas que não respeitam a soberania do Povo Cubano.

No imediato surge como prioridade absoluta a intensificação da luta pelo Fim do Bloqueio a Cuba e pelo fim da chamada “Posição Comum” da União Europeia face a
Cuba.

Cuba vencerá!

Obrigado.

Pedro Noronha Vice-Presidente da Associação de Amizade Portugal-Cuba