Hipocrisia e cinismo, somente.

Disse hoje Barack Obama que «Há 71 anos, numa manhã de sol e sem nuvens, a morte desceu dos céus e o mundo mudou»: os EUA lançavam sobre Hiroshima e Hagasaki o 1º ataque nuclear da História.
Em comemoração da data, Barack Obama esteve no Japão. Não para pedir desculpa de um acto horrendo que continua a vitimizar seres humanos e o planeta; ataque desnecessário, visto que as potências do eixo já tinham a guerra completamente perdida.
Obama apelou... ao fim de todas as armas nucleares e desejou que Hiroshima e Nagasaki «não sejam conhecidas como a alvorada de uma guerra nuclear, mas como o início do despertar da nossa consciência moral».

 

Pura hipocrisia!

71 anos depois, no mês de Maio, a NATO instalou e já inaugurou 3 baterias, com 24 mísseis interceptores, na base de Deveselu, a Sudeste da Roménia, a uma distância de 600 quilómetros da península da Crimeia, território russo.
Posteriormente, deu início à instalação terrestre do chamado escudo Antimísseis, no Norte da Polónia, na região de Redzikowo, a 200 Km do enclave russo de Kaliningrado.
Ainda em Maio, a NATO tem realizado exercícios militares em 3 antigas repúblicas soviéticas: Estónia, Geórgia e Moldávia. No Mar Negro, países da NATO têm barcos de guerra.
Os EUA abandonaram unilateralmente o Tratado de Mísseis Antibalísticos e preparam-se para violar o Tratado de Não Proliferação.
Os EUA têm recusado a proposta sino-russa de um tratado contra a militarização do espaço.

Há 71 anos, para testarem o seu poder nuclear, para o que foi escolhida «uma manhã de sol e sem nuvens», e para mostrarem que tinham mais força e poder do que a União Soviética, intimidando-a. Em 2016, para cercar militarmente a Rússia e a China e aniquilar a capacidade dissuasora destas 2 potências, de forma a que possam desencadear um ataque sem resposta.

A Paz Mundial tem sido sistematicamente posta em perigo pelo imperialismo. E está seriamente ameaçada hoje.

Rui Barreiros

Núcleo de Coimbra da AAPC